Skip to content

“Hippie” ou “Maluco de Estrada”?

Conhecidos no senso comum como “hippies” (título amplamente rejeitado dentro do “movimento”), os “malucos” ou “malucos de estrada”, ou “malucos de BR” (nomes pelos quais eles se reconhecem) são os protagonistas/atores sociais de uma expressão cultural, no Brasil, que apresenta características singulares, comportando uma cosmovisão, práticas, estilos de vida, fazeres e saberes que conferem as matizes características desta expressão.

Uma expressão cultural que foi sendo construída há várias décadas e, no Brasil, decorrente dos diálogos entre os movimentos de contracultura da década de 60 – inclusive o movimento hippie como aqui chegou e foi traduzido –, os cenários interculturais brasileiros, os contextos políticos, sociais e econômicos específicos com os quais interagiu e os demais com os quais se hibridou, através de uma complexa teia de relações, tem-se configurado no “maluco de estrada”. Além disso, sendo uma cultura viva e dinâmica, encontra-se em constante movimento, já que continua se mestiçando, dialogando e transformando-se, o que reafirma seu permanente frescor e contemporaneidade.

Esta figura mestiça, híbrida, o “maluco de estrada”, é antes o resultado de encontros, e sua especificidade resulta destas combinações infinitas e da reformulação de diversas heranças. Além disso, sua frequente postura de nômade, de viajante, reforça ainda mais sua condição de antropófago, de “canibal”, pois devora e reconfigura aquilo que encontra – os lugares, as paisagens, as histórias, as matérias-primas, a forma de ser e viver das pessoas com as quais se depara – sendo permeado destes encontros e desencontros, destas ambivalências, destas tensões, memórias e esquecimentos, que alimentam o perpétuo movimento, seu perpétuo tornar-se, vir a ser.

Atualmente, é inegável a presença desta cultura/patrimônio cultural imaterial no contexto da diversidade cultural brasileira (estando de acordo com o que a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial considera como patrimônio imaterial), sendo de importância crucial ressaltar que os integrantes desta manifestação cultural se reconhecem como pertencentes à um grupo, o qual se referem como “família”. Além disso, comportam uma gama de códigos morais específicos, uma estética peculiar, um estilo de vida onde relacionam-se o nomadismo, a postura marginal (à margem do establishment) e práticas específicas, tais como a tríade “mangueio-mocó-carona”, um vocabulário sui generis e uma visão de mundo que difere bastante das hegemônicas, sendo também portadores de uma expressão artística característica, representada pelos tipos de artesanato que produzem a partir de seu ofício, exposto em espaços públicos das cidades e possuidor de duplo caráter, comercial (ligado à subsistência do artesão) e cultural (valor simbólico, político e existencial).

Por fim, vale destacar que esta reflexão é antes um convite a olhar o “maluco de estrada” não como um tipo exótico brasileiro, definido e definitivo, portador de uma cultura alheia, estranha ou primitiva, mas como uma figura que possui sim uma cultura singular, mas que, antes de tudo, compartilha conosco, com o “outro”, em múltiplas facetas, várias formas de ser que mais nos aproximam que nos afastam, porque devorou e tem devorado a todos nós: menos idêntico a si, antes feito dos outros.

12 Comentários
  1. Ao longo do tempo houve uma deterioração da ideologia dos caminhantes, dos caroneiros, dos ditos “hippies”, denominação que sempre refuguei, desde que “caí na estrada”, em 1980. Antes disso, viajei várias vezes de carona, no estilo, mas tinha uma casa burguesa pra voltar no final das férias. Então, quando viajava, encontrava sempre malucos viajando, em cada trevo, em cada posto, nos acostamentos. E me aproximava, quando havia alguma empatia. Talvez por isso mesmo, só tratava com filósofos de mentalidade densa e postura clara anti-sistema, com base ideológica e prática coerente. Depois, já sem casa pra voltar, comecei a perceber “invasores”, pessoas de forma “hippie”, mas de conteúdo convencional, cheias de verdades, de preconceitos, de arrogância, impondo valores e desprezo pelos “caretas”. Percebi a diferença entre os que se atiravam ao mundo daquela forma por opção e os que se faziam de hippies por falta de opção, como um recurso de auto valorização diante da impossibilidade de obter valorização dentro das convenções. Aí o dito movimento foi enfraquecendo, foi sendo invadido pelos sem caráter e sem ideologia, pela ignorância e pelo preconceito – e perdeu seu poder de contágio, antes avassalador, pela sinceridade, pela densidade, pela força de uma ideologia amorosa e agregadora, tolerante e solidária. O egoísmo e a vaidade, junto com a repressão do sistema, arrasaram com o estilo de vida e espalhou os puros de antes, incapazes de maldades e falsidades. Em 2005 fiz uma viagem de carona, do Rio ao Ceará e vice-versa, e não vi um caroneiro por todo o caminho, além de nós – eu e dois filhos (grandes). Antes era impossível não encontrar caroneiros, hoje parece impossível encontrá-los. A estrada já os repele. E dos malucos de artesanato, não espero mais filosofia – fora as filosofias fajutas, pejadas de preconceitos e sem base nenhuma. Ficou a forma, o conteúdo foi esvaziado, nesse meio. As exceções estão espalhadas em todos os lugares e não dependem da forma.

    • Pow..muito bom este texto otima espressao finaliza e expoe totalmente o ideal desta grande FAMILIA conhecida como malucos de estrada sem mais a diser pois ja esta dito e scrito no tempo , na cabeca dos livres pensadores na tequinologia atual e melhor em nos malucos que somos abracos a todos por ai a fora na estrada ou fora dela mas acima de tudo maluco pois maluco nao e pelo que faz mas pelo que pensa…

      • Maluco e aquele que fotalece e alcilia o outro no bom caminho da estrada seja no bom pensa mento seja na falta da materia que perdeu ou foi roubada, maluco e irmao do outro nao pensa em prejudicar e sim em ajudar…

  2. Indiana Lima permalink

    Concordo absolutamente com Eduardo Marinho,que compactou o que presenciei desde os primeiros momentos que começei a caminhar.Existe uma forma que atrai algumas pessoas que ainda hoje se dispõem a participar do “movimento”,porém quando se está verdadeiramente caminhando(na estrada,vivendo da arte que faz,criando filhos,lidando com a sociedade igualitária) é que percebe-se que pouquissimas pessoas vivem realmente a alternatividade e consequências de pelo menos querer não participar deste sistema,naturalmente não conseguimos sair de uma rotina sistemática,e é assim que voltamos ao ponto de partida.E pelo mais, divulgarei o possível esta iniciativa de educar a sociedade sobre esta tribo que não para de crescer,caminhar e falar,e que a cada dia perde espaço e ganha reservas.

  3. hippies é moda,,éa moda hiipe é roupas hippies..MALUCO DE BR vai alem disso..muito alem..por isso o noem MALUCO ,pq foge dos padroes normais.e esteticos,,,

  4. Eduardo voce ja disse tudo… sem mais comentarios..eu lembro muito de alguns momenros que passei ao lado de uns hippies quando era adolescente e foi os melhores momentos de minha vida ate hoje… sentimento puro liberdade amor a natureza..irmandade..desapego ao luxo nos dias de hoje impossível! A humanidade se tornou robotica materialista insensivel egoísta e mergulhada numa selva d epedra das grandes cidades…

  5. hippies é paz e amor atitude liberdade é mais do que tudo isso que falei

  6. miro diniz permalink

    O ser humano sempre foi assim, sempre nessa busca de querer saber realmente o que ele e de fato e pra mim o maluco de br pode se dizer assim sendo essa figura que muitas vezes transgride essa imagem que foi colocada pela televisao e pelo proprio sistema apesar de ter convivido por muito tempo com isso muitos podem dizer que eles sao vagabundos sao artesaos, que sao drogados temos o livre arbitrio, conflitos existem em qualquer grupo ou camada social temos que aprender a viver com mais harmonia

    armonia

  7. Eduardo Marinho falou com extrema propriedade sobre o tema..e representou o que penso como um irmão da BR.. agora só de mocó..sem sair pro mangueio..sinto imensa saudade de tudo que vivi em meus dez anos de estrada..paz irmão..

  8. josé carlos permalink

    di br eu fui por muitos e muitos anos di br, quem me conhece um pouco sabe que sim. e poderia tentar definir o qui é isso mais precisaria de escrever um livro, porque é muito complexo.

  9. Nossa acho que o texto em evidência, que faz diferença aqui nisso tudo, foi o do Eduardo, sem dúvida, entrei nesse mundo e senti a mesma vibe, não existe mais aquele sentimento de crianças de aquário, onde havia uma motivo, cair na estrada era muito mais que virar uma mistura de pós-hippie-mendigo-nóia-mano e simplesmente viver para mangueio-mocó-carona, fiz isso também, mas vivi nos anos 90 e um grupo de amigos, como se vivêssemos de verdade no fim dos anos 60 e 70, não na questão nostálgica hippie somente, mas no amor fraternal, na ideologia pura e tenra de se tornarmos uma mudança de dentro pra fora, da revolução de nossas mentes e almas pra nossos cabelos, vestimentas e atitudes, de viver uma vida real com amor, compreensão, busca espiritual em tudo sempre, na estrada encontrei vários malucos de Br, não todos, mas a maioria, rancorosos com a vida, fingindo ser aquele bom maluco, mas no fundo sendo um cara cheio de malicias, segundas intenções, interesses próprios apenas e nada mais, querendo se dar bem, com malandragem, quase um marginal, não por viver a margem da sociedade como um outsider para viver seu sonho e ser feliz, mas para escapar e fazer o que quiser muitas vezes até de forma criminosa, como presenciei, lamentável, ver que na aurora de uma nova era, como se pensava antes, que teríamos os filhos de uma era dourada de amor e paz, da era de aquários ou algo similar, mas o que temos hoje são apenas vítimas do sistema atual, a essência se perdeu, ficou a forma, mas oca, não em todos os casos mas na maioria deles, é uma pena é algo como comparar Raul Seixas o poeta verdadeiro e original, um cara cabeça e genial com Ventania, que tem músicas até que legais mas que tal como essa geração (velhos ou novos) malucos de Br é rasa, só foca no periférico, se é que podemos dizer que há foco, bem pelo menos poesia não há. Tudo aquilo que aprendemos antes parece que se foi e só sobrou a sombra ou as cinzas daquilo tudo. Espero que um dia isso mude e vejamos um renascer de novo, da malucada de verdade, como irmãos e irmãs, em uma tribo, com amor fraternal por tudo e todos e não como se vivêssemos sempre apreensivos

  10. eduardo marinho e brujo falaram a real…o verdadeiro maluco quer a mudança de dentro pra fora .ta nessa busca constatemete…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 191 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: